Actio et Elocutio: A ornamentação livre elaborada e improvisada

Autores/as

  • Roger Lins de Albuquerque Gomes Ribeiro

Palabras clave:

ornamentação livre, estilo italiano, improvisação musical, música antiga, Ornatus

Resumen

A ornamentação livre, um dos mais importantes diferenciais do estilo musical italiano do século XVIII, é uma técnica utilizada para enriquecer o discurso melódico de uma obra, por meio da inserção de ornamentos em uma melodia. Na maior parte dos casos, os ornamentos não são previamente indicados pelo compositor na partitura, mas é esperado que o intérprete os adicione. O assunto foi abordado detalhadamente em preceptivas teóricas dentre as quais destacam-se Quantz, Tartini e Geminiani e em diversas edições setecentistas de sonatas solo com versões extensamente decoradas, que já na época cumpriam uma importante função didática. Fontes secundárias costumam enfatizar esse ornato e sua ênfase patética aos efeitos da surpresa e da escolha dos ornatos apropriados ao sabor do momento, tendo o decoro não só mediado pelo cerne do discurso musical, mas também por fatores do próprio concerto. Embora esse pensamento vá ao encontro de fontes primárias seiscentistas e setecentistas que demonstram a naturalidade e a difusão da prática segundo esses princípios em seus meios geográficos e temporais, muitas vezes, nos dias atuais, a elaboração escrita da ornamentação italiana é relegada a um plano inferior, essencialmente didático esquecendo-se das possibilidades de adequação e comoção ao combinar ornamentos notados e o improviso.

Descargas

Publicado

2023-12-18

Número

Sección

Dossier: XIII Encuentro de Investigadores en Poética Musical...